Os Vinhos

Os Vinhos

Os Vinhos

     Escolha Tinto DOC – Trata-se de um vinho que tem na sua composição duas castas tradicionais alentejanas, aragonês e trincadeira e mantem as características mais genuínas de um vinho de talha. Frutado, suave e com uma personalidade consensual. Vai ficando na nossa memória gustativa, não intervém, mas sem ele a conversa já não é a mesma.

 

     Escolha Branco DOC - Trata-se de um vinho que resulta de uma escolha rigorosa das uvas. Tem na sua composição duas castas tradicionais Alentejanas, antão vaz e arinto o que permitiu um branco de talha genuíno. Frutado, suave e que permite uma entrada “de conversa” que só aos melhores é permitido.

 

     D. Alice Branco DOC – O nome, é uma homenagem do produtor à sua esposa. Com uvas vinificadas depois de uma escolha rigorosa logo no trabalho da colheita. No branco juntou-se às castas antão vaz e arinto, mais duas castas antigas, manteúdo e perrum o que permitiu ter um branco de talha ainda mais suave e leve. Mas é preciso respeitá-lo, pois o grau alcoólico quase não se sente, mas está lá, entre 13 e 15%. No tinto continuamos com as castas aragonês e trincadeira, mas agora com um terroir mais há base de xisto e o volume alcoólico a rondar os 14%.  

 

     D. Alice Tinto DOC - Este tinto, tal como o Branco D. Alice, resulta de uvas de um terroir, em solos de xisto. O nome é homenagem do produtor à sua esposa. Produção limitada. Na sua composição entram as duas castas tradicionais alentejanas, aragonês e trincadeira que caracterizam os tintos ACV. As características são as mais genuínas com que podemos caracterizar um vinho de talha. Frutado, suave e com uma personalidade consensual. As papilas gustativas sorriem à sua passagem, deixa o gosto na memória e não tarda lembramo-nos dele.

 

PRODUÇÕES ESPECIAIS    

     1856 Branco DOC – O nome resulta de ter sido vinificado numa talha assinada e datada de 1856. As castas são as mais características da região, o Antão Vaz e o Arinto. As condições conseguidas tanto na fermentação como no estágio de sedimentação, permitiram um branco especial não só pela leveza dos vinhos de talha, mas tambem subtileza que consegue, quando escorrega pala nossa garganta e deixa as papilas gustativas a sorrir.

 

     PECULIAR Tinto DOC 2017 - Aconteceu com as uvas da mangancha de 2017. Peculiar, porque talvez este seja o melhor de todos e não seja possivel fazer já um tão bom ou melhor que este. Só fizemos 2800 garrafas. É de 2017, como é de talha já o podemos degustar a partir de 2018. Temos que o deixar respirar uma hora (decantado). É um vinho que podemos guardar com segurança por mais de 10 anos.

 

       Ânfora de Barro Tinto  –  Utilizamos sempre o vinho tinto mais jovem. Na ânfora envelhece mais rápido. É preciso consumir nos primeiros 2 anos. Até agora foram apenas lançadas 3 séries de 100 numeradas. Existem dois tamanhos: a ânfora normal, de 1 L e a Magnum  Ânfora, com 1,5 L. Trata-se da embalagem premiun, em que  se pretende homenagear o vinho, ligando-o simbolicamente ao período romano. As Ânforas de barro são produzidas uma a uma de forma artesanal por um artista, oleiro de S. Pedro do Corval, Alentejo.